Fome de Poder

Reflexão

Nos últimos meses, em que me entreguei, em parte, ao isolamento social, fugi dos noticiários de TV e busquei seriados e filmes da NETFLIX, bem mais interessantes para passar o meu tempo. Gosto muito de histórias reais porque elas podem nos ensinar muita coisa e mostrar principalmente as manhas dos maus-caráteres e a força da resiliência em qualquer empreendimento.
Ontem, assistimos FOME DE PODER, que relata a história dos irmãos americanos RICHARD e MAURICE MAC DONALD, os criadores da maior rede de fast food do mundo. Os números são impressionantes: a marca está em 119 países e vende, por dia, em média, 68 milhões de sanduíches. O que equivale a mais que a população de vários países, como a França, por exemplo, e a 1% da população mundial.
Mas, voltemos à história: os irmãos MAC DONALD eram ingênuos demais e não tinham grandes pretensões de acumular fortuna. Ao contrário do vendedor de máquinas de sorvetes RAY KROC, que enxergou o potencial do negócio, convenceu a sua entrada como sócio e, aos poucos, foi eliminando os irmãos criadores da marca. Uns não enxergam nada demais porque, no mundo de hoje, gente mal-caráter e sem ética passou a ser consideradas INTELIGENTES. Infelizmente!
KROC fez um império, que até hoje se mantém, e os irmãos perderam o direito do uso do nome, que inclusive era de família, graças a interpretações de contrato. Até hoje, o processo que rolou na justiça daria, só de royalties, US$ 100 milhões, mas o acordo feito na rasteira dada por KROC pagou apenas US$ 1,35 milhão para cada um. Lembrei do meu pai, que dizia: “MEIA, SÓ NOS PÉS! SEJA PEQUENO, MAS INDEPENDENTE!” Sábio, o meu pai! Imagem/ Facebook McDonald's.

COMPARTILHE:
Faça seu login e comente essa matéria