Tolerância zero

Reflexão

Se antes já tínhamos grande dificuldade de aceitar e procurar entender algumas coisas, a PANDEMIA, desde o início, tirou todas as possibilidades. Observo que este VÍRUS é mais cruel até com os que não conseguiu infectar. Quantos enjaulados, depressivos e outros inconscientes de suas ações, culpando e sendo culpados por atitudes que, em sã consciência, jamais fariam! A mídia inescrupulosa vive buscando mais tragédias que possam intimidar pessoas e tirar o direito de ir e vir, e de ser feliz.
Não sou DONO DA VERDADE porque, na minha concepção, neste caso, a verdade é de cada um. Quem pode condenar um chefe de família que tem dois, três filhos, precisa trabalhar para garantir o pão de cada dia e que aproveita um jogo do FLAMENGO para vender o seu churrasco na RUA DA LAMA? E quem pode criticar os que vão aos bares se reunir com amigos para compartilhar um GOL? A sua opinião é SUA, mas a dos outros precisa ser RESPEITADA. 
Não se pode esquecer que NINGUÉM escapa da morte e que só DEUS determina o dia de cada um. Entretanto, até os católicos fervorosos  que diziam que na vida até uma folha só cai de uma árvore com a permissão de DEUS, esqueceram disso. Agora, condenam os outros, rogam pragas e passam a acreditar mais nas regras impostas pelo homem. Um ano se passou, muitos morreram e outros milhões se salvaram porque não era o dia da partida. A opção de obedecer ou não impõe consequências que só dizem respeito a cada um. É preciso acordar para a VIDA, não parar no tempo esperando a MORTE.
As empresas estão falindo a todo minuto, os sonhos estão proibidos. O VÍRUS existe, sem dúvida alguma, causando terror para muitos, mas quem não teme, merece o respeito por sua opção. Já passou da hora de devolver o direito de ir e vir, mesmo que exigindo regras fundamentais. Se há aglomeração nos aeroportos, nas feiras, nas praias, essas pessoas sabem e não há porque multar, prender ou ameaçar. Os que não querem correr risco estão em casa.
Lembro que, no início, aquele terrorismo dos leitos de UTI que não tinham vagas era uma coisa ridícula. Digo isso baseado em mim mesmo, que senti na pele há uns oito anos, quando peguei uma bactéria, e, mesmo sem a pandemia não havia leitos. E fizeram tanto terror, mas o índice era sempre o mesmo. Antes da PANDEMIA, os telejornais mostravam corredores de hospitais lotados de macas, uma coisa deprimente. Ninguém mais é atropelado, morre de infarto ou qualquer outra doença. Tudo isso levou parte da população à TOLERÂNCIA ZERO. E são esses que passaram a desobedecer.
Só mesmo quem tem emprego garantido, boa aposentadoria, goza o privilégio de ficar em casa. E quando todos esperavam a VACINAÇÃO com a esperança de liberdade, já estão sendo avisados que não garante por completo. Então, sejamos sensatos e deixemos que cada um possa escolher o seu destino: VIVER ou MORRER. Mas, relembrando que essa sentença só DEUS pode assinar. Imagem de Oberholster Venita por Pixabay 

COMPARTILHE:
Faça seu login e comente essa matéria